terça-feira, 30 de outubro de 2012

COMO TRABALHAR A LEI Nº 10.639/2003 SUGESTÕES PARA AS DISCIPLINAS


COMO TRABALHAR A LEI Nº 10.639/2003 E AS DIRETRIZES CURRICULARES PARA A EDUCAÇÃO DAS RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS E HISTÓRIA E CULTURA
AFRO-BRASILEIRA E AFRICANA NA ESCOLA?

Temos a lei. E agora? Agora trata-se de avançarmos na articulação da lei e seus princípios norteadores com
a prática cotidiana das escolas. Como vencer as resistências dentro e fora do contexto escolar? Que abordagens
fazer? Tudo isso a conselheira Petronilha aborda com propriedade e riqueza de detalhes no Parecer do Conselho
Nacional de Educação que institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para as Relações Étnico-Raciais e para o
Ensino de História e Cultura Afro-Brasileira e Africana.
Apresentamos aqui algumas sugestões. Estes são frutos de atividades já desenvolvidas por
vários educadores de escolas públicas do Paraná.

Sugestões de atividades para as escolas:
• realização de atividades que propiciem o contato com a cultura africana e afro-descendente, culminando em
desfiles, exposições, mostras de tetro e dança nas quais sejam apresentados penteados, vestimentas, adereços,
utensílios, objetos e rituais resultantes desse processo;
• valorizar a diversidade étnica brasileira, a partir de discussões e atividades  que tenham como foco a criança e o
jovem negro, a sua família em diferentes contextos sociais e profissionais;
• elaboração de pesquisas e debates sobre o espaço dos afrodescendentes e de sua cultura nos meios de comunicação de massa (em especial na TV).

Língua Portuguesa e Literatura
• Realizar com os alunos estudos e pesquisas de países que falam a língua portuguesa. o que os une? Quais as
razões? Atualmente como estão estes países? Qual a composição étnica? Diferenças do Português falado e
escrito entre eles. Exemplos: Na alimentação: vatapá, acarajé, caruru, canjica, etc. Na música: os instrumentos
musicais, maracá, cuíca, atabaque, reco-reco, agogô. Na religião: umbanda e candomblé.
• Após debates em sala, a partir de textos trabalhados com os alunos, solicitar que produzam textos sobre temas
como: o racismo no Brasil, a presença do negro na mídia, políticas afirmativas, cotas, mercado de trabalho, etc.
• Trabalhar com as implicações da carga pejorativa atribuída ao termo negro e outras expressões do vocabulário.
• Realizar com os alunos estudos de obras literárias de escritores negros como Cruz e Souza; Lima Barreto.
Machado de Assis; Solano Trindade, etc. destacando a contribuição do povo negro à cultura nacional.
• Incluir os conteúdos de literatura, o estudo do Teatro Experimental de negro iniciado no Rio de Janeiro em 1944
e a pesquisa sobre a Imprensa negra brasileira no início da década de 20. Alguns jornais produzidos por afrodescendentes que circularam semanalmente durante até mais de 50 anos.
• Utilizar pesquisas e revistas produzidas pela comunidade afrodescendente do seu município.
• Trabalhar a leitura e interpretação de letras de músicas relacionadas à questão racial.
• Trabalhar com os gêneros musicais do samba e rap. cultura afro
• Poesias que podem ser feitas pelas próprias crianças relacionadas ao povo afrodescendente e sua cultura. A
partir dessa literatura a criança afrodescendente constrói uma imagem da realidade social que não a inclui.
• Realizar estudos de obras brasileiras que discutam, abordem questões relacionadas a cultura afro-brasileira:
Macunaíma, Mário de Andrade; Casa Grande e Senzala, Gilberto Freyre; O Escravo, Castro Alves; Sermões do Pe.
Antonio Vieira; A Cidade de Deus, Paulo Lins; O Mulato, Aluísio Azevedo; O Bom Crioulo, Adolfo Caminha.
• Na pintura, leitura e interpretação de obras de Di Cavalcanti, Lazar Segall e Cândido Portinari que retratam a figura
do negro.

História
O professor de História precisa construir um novo olhar sobre a história nacional e regional/local, ressaltando a
contribuição dos africanos e afrodescendentes na constituição da nação brasileira.
Algumas visões equivocadas sobre o negro e o continente africano devem ser desmitificadas, entre elas:
• a do negro visto como escravo: não se pode naturalizar a situação do negro como escravo. Os negros não eram
escravos, foram escravizados. A África não é uma terra de escravos. Os povos africanos eram portadores de
história, de saberes, conhecimentos, na maioria das vezes transmitidos pela oralidade;
• a da África como um continente primitivo: a imagem de que o continente africano é povoado por tribos primitivas em imensas florestas está presente no imaginário da maioria das pessoas. Imagem construída pelos meios de
comunicação e pelos próprios livros didáticos. Na África tivemos grandes nações e impérios (como por exemplo
o Egito Antigo). Muito das tecnologias utilizadas no Brasil, no cultivo da cana-de-açúcar e na mineração, foram
trazidos pelos negros oriundos da África;
• a de que o negro foi escravizado porque era mais dócil, menos rebelde que os indígenas: Esta idéia está presente
em boa parte dos livros didáticos. Omite-se que a história dos africanos escravizados está inserida num contexto
de acumulação de bens de capital, ocorrida entre os séculos XVI e XIX, envolvendo África, Europa e Américas.
No Brasil há uma história de organização e resistência, desde as vindas nos navios negreiros, as fugas individuais e coletivas para os quilombos, a organização em irmandades, a resistência da cultura nas manifestações
religiosas dos batuques e terreiros, até as formas de negociação para a conquista da liberdade;
• a da democracia racial: que se forjou na sociedade brasileira, mascarando o tratamento desigual destinado aos
afrodescendentes.
Sugere-se para a disciplina de História, entre outros, o trabalho com os seguintes temas:
Estudo...
• dos grandes reinos africanos, as organizações culturais, políticas e sociais de Mali, do Congo, do Zimbabwe, do
Egito, entre outros;
• dos povos escravizados trazidos para o Brasil pelo tráfico negreiro e as conseqüências da Diáspora Africana;
• das resistências do povo negro (Quilombos, Revolta dos Malês, Canudos, Revolta da Chibata e todas as formas
de negociação e conflito);
• da promulgação da Lei de Terras e do fim do tráfico negreiro(1850) e o impacto das ideologias de branqueamento
(darwinismo social) sobre o processo de imigração européia;
• dos remanescentes de quilombos, sua cultura material e imaterial;
• da Frente Negra Brasileira, no início dos anos 30, criada em São Paulo;
• do significado da data 20 de novembro, repensando o 13 de maio.cultura afro  

Geografia
Sendo a Geografia a ciência cujo objeto é o espaço geográfico e suas inter-relações, caberá ao professor desta
disciplina tratar dos seguintes contextos:
• População brasileira: miscigenação de povos;
• Distribuição espacial da população afrodescendente no Brasil;
• A contribuição do negro na construção da nação brasileira;
• O movimento do povo africano no tempo e no espaço;
• Questões relativas ao trabalho e renda;
• A colonização da África pelos europeus;
• A origem dos grupos étnicos que foram trazidos para o Brasil ( a rota da escravidão);
• A política de imigração e a teoria do embranquecimento no mundo;
• Localizar no mapa e pesquisar sobre a atualidade de alguns países ( como vivem, população, idioma, economia,
cultura, história, música, religião);
• Estudo da organização espacial das aldeias africanas ( questões urbanísticas);
• Estudo de como o continente africano se configurou espacialmente: as (re)divisões territoriais;
• Análise de dados do IBGE sobre a composição da população brasileira por cor, renda e escolaridade no país e no
município em uma perspectiva geográfica.
• Discussões a respeito de práticas de segregação racial, como as acontecidas, por exemplo na África do Sul , e
nos Estados Unidos da América..
Ensino Religioso
• Estudar a influência das celebrações religiosas das tradições afros na cultura do Brasil;
• Pesquisa sobre as religiões africanas presentes no Brasil;
• Estudo dos orixás.

Educação Artística/Arte
• A presença de elementos e rituais das culturas de matriz africana nas manifestações populares brasileiras:
Puxada de rede, Macululê, Capoeira, Congada, Maracatu, Tambor de crioulo, Samba de roda, Umbigada, Carimbó,
Côco e etc;
• Danças de natureza:
Religiosa: candomblé
Lúdica: brincadeira de roda
Funerárias: Axexê
Guerreira: Congada
Dramáticas: Maracatu
Profanas: Jongo;
• A contribuição artística da cultura africana na formação da Música Popular Brasileira: origem do Batuque, do
Lundu e do Samba, entre outros;
• Poética musical envolvendo a temática do negro;
• Nossos cantores e compositores negros: A Cultura Africana e Afro-brasileira e as Artes Plásticas: máscaras,
esculturas (argila, madeira, metal); ornamentos; tapeçaria; tecelagem; pintura corporal; estamparia;cultura afro
• Artistas plásticos como Mestre Didi (Bahia- Brasil) e a presença/influência da arte africana nas obras de artistas
contemporâneos;
• Proposta interdisciplinar: explorar os conteúdos sobre a estrutura de Fractais (física e matemática) presentes na
arte africana (penteado, arquitetura, música, estamparia, objetos decorativos, etc).
As sugestões devem ultrapassar a condição de conteúdos, para que possam ser analisados e recontextualizados
pela ótica das artes e serem avaliadas esteticamente através dos elementos do movimento, do som, dos elementos plásticos: da cor, da forma, etc.

Biologia/Ciências
Sugere-se aqui algumas temáticas possíveis, a serem desenvolvidas no ensino de Ciências e Biologia, que
contemplam as Relações Étnico-Raciais e o Ensino de História e Cultura Afro-Brasileira e Africana:
• Estudo sobre as teorias antropológicas;
• Desmistificação das teorias racistas, destituindo de significado a pseudo “superioridade” racial;
• Estudo das características biológicas (biotipo) dos diversos povos;
• Contribuições dos povos africanos e de seus descendentes para os avanços da Ciência e da Tecnologia;
• Análise e Reflexão sobre o panorama da saúde dos africanos, in loco. Essa análise deve considerar os aspectos
políticos, econômicos, ambientais, culturais e sociais intrínsecos à referida situação. Neste sentido, o professor
de Ciências e Biologia pode abordar os conflitos entre epidemias/endemias e o atendimento à saúde, entre as
doenças e as condições de higiene proporcionadas a população bem como o índice de desenvolvimento humano (IDH).

Educação Física
Atividades que podem ser desenvolvidas nas aulas de Educação Física:
• Estudo das práticas corporais da cultura negra, em diferentes momentos históricos;
• As danças e suas manifestações corporais na cultura Afro-Brasileira;
• Os brinquedos e brincadeiras na cultura africana e sua ressignificação nas práticas corporais afro-brasileiras;
• Os jogos praticados no Brasil pelos afro-descendentes e africanos numa perspectiva histórica;
• As manifestações corporais expressas no folclore brasileiro;
• A capoeira, seus significados e sentidos no contexto histórico-social, como elemento da cultura corporal.
Através da capoeira é possível resgatar toda historicidade do negro, desde o momento em que foi retirado do
continente africano. São exemplos significativos as suas danças de guerra, caça, festas, como a da puberdade e
as grandes caminhadas pelas florestas. Tais elementos representam subsídios na construção de propostas para
o trabalho pedagógico nas escolas.

Matemática
• Análise dos dados do IBGE sobre a composição da população brasileira e por cor, renda e escolaridade no país
e no município.
• Analisar pesquisas relacionadas ao negro e mercado de trabalho no país.
• Realizar com os alunos pesquisas de dados no município com relação à população negra.

FONTE:
Cadernos temáticos: Inserção dos conteúdos de história e cultura afro-brasileira e africana / Paraná. Secretaria de Estado da Educação.

Superintendência de Educação. Departamento de Ensino Fundamental. –
Curitiba : SEED - Pr., 2005.
43 p.


3 comentários:

  1. Muito boa suas sugestões.Tem pra todos.Vou trabalhar em Língua Portuguesa!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá
      A nossa equipe fica feliz em poder ajudar, conte sempre conosco,ok.
      Parabéns em estar cumprindo a lei.
      Helena Z

      Excluir
  2. Vou aplicar em Língua Portuguesa. Excelente sugestão. Divertimento para todos empenhados numa educação crescente.

    ResponderExcluir